username o email
password

Ti piace Aphorism?
Segnalaci su Google

Inserisci la tua e-mail per ricevere gli aggiornamenti

in archivio dal 14 ago 2018

Antonio Blunda

26 febbraio 1972, Erice
Mi trovi anche su:

elementi per pagina
  • L'innamorata mi tiene per mano,
    l'innamorata ha una culla,
    la culla ha una perla,
    una perla di solitudine.

    Al crocevia del treno
    ero una marea del fado,
    una mare del Creato
    creato dal mare,
    ed un mare, un mare mi ha sconfinato,
    e non posso farne più a meno.

    Ero una marea, una marea del fado,
    e non mi ero accorto,
    non mi ero accorto del morso,
    non sapevo del canto,
    ch'era il morso allo stomaco,
    dove le sporche colombaie
    dimenticate vivono
    alla goccia delle grondaie.

    Al crocevia del treno
    l'amore mi teneva,
    mi teneva per mano

    Il problema del mio cuore
    è che ad un punto,
    ad un punto
    non ho trovato che te.

    O AMANTE ME SEGURA PELA MÃO (CANTO DO FADO)

    O amante me segura pela mão,
    a garota apaixonada tem uma berço,
    o berço tem uma pérola,
    uma pérola de solidão.
    Na encruzilhada do trem
    Eu era um maremoto,
    um mar de criação
    criado pelo mar,
    e um mar, um mar me limitou,
    e eu não posso ficar sem isso.
    Eu era uma maré, um maremoto,
    e não notei
    Eu não tinha notado a mordida,
    Eu não sabia sobre cantar
    Essa era a mordida no estômago.
    onde os dovecotes sujos
    esquecer ao vivo
    na queda das calhas.

    Na encruzilhada do trem
    o amor me mantém,
    ele me segura pela mão

    O problema do meu coração
    é que em um ponto,
    em um ponto
    Não encontrei você.